terça-feira, agosto 25, 2009

Dia do Rock, Dia de Woodstoock

O SONHO ERA o de ULTRAPASSAR LIMITES

ultrapassaram. correndo em eras de gasolina farta em alta velocidade usando a pista e a contramão.
cresceram e se multiplicaram até depois dos sétimos dias.
bem mais do que eu e você. hj vivemos a revolução cultural acomodados diante de um PC, quem sabe um notebook.
o passado evoluiu tanto, que se já tornou progressivo mesmo se descobrindo genero musical contemporâneo.
o rótulo de "Rock-Progressivo" também chamado depois como a 3ª geração do rock, foi criado para bandas que nos anos 70 procuravam fundir outros estilos musicais.

o Jethro Tull liderado pelo irlandês Ian Anderson, deu a partida qdo introduziu, de forma inesperada e inédita na então Londres lisérgica, cantos e temas celticos, personagens folclóricos, habitantes das florestas e outras criaturas imaginárias.

logo outros procuraram acertar na nova "veia" econômica mas, aí já sob os apupos do pessoal do marketing das gravadoras.
eu sou um publicitário. eles apenas faziam o seu trabalho. qto a mim, bem... too old to rock'n and roll but too young to die.

enfim, graças a descoberta, as grandes bandas inglesas voltam a dar as cartas no cenário mundial:Yes (do jazz a música instrumental clássica), Gênesis (o teatro erudito improvável: algo como Edgar Alan Poe com Lennon & MacCartney) Rick Wakeman( o multitecladista e solista virtuoso), EL&P, Focus, King Crimson( do guitarrista Robert Fripp), Mike Oldfield (trilha do filme O Exorcista), Pink Floyd. do outro lado do atlântico Frank Zappa, Nice e Os Mutantes (ousados e criativos são considerados um dos melhores grupos de rock de todos os tempos pela crítica internacional) e... etc.

pessoalmente aprecio o bom e velho rock como a um vinho tinto seco encorpado pelo tempo.
vejo que a filosofia sempre foi só uma: expressão.
seja qual for a forma, a interpretação da realidade é clara, simples e direta. cara a cara com quem escuta.
assim foi de Little Richard a Hendrix, de Elvis a Clapton, passando por Billy Holliday e Janis Joplin.
nada, absolutamente nada, ao meu ver, traduziu de forma mais evidente e mais clara a mente das famílias do sec XX do que a musica feita por seus jovens à partir dos 50"s até os 60/70.

o sonho termina com The Clash e Bob Marley.
that's rock and roll.
depois, Cazuza é releitura.
"Os tempos, eles estão mudando" Bob Dylan.

Nenhum comentário: